Autor Tópico: Asteróides e meteoritos revelam parecenças  (Lida 1516 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline PauloSantos

  • Grupo Galáctico
  • Astro-Avançado
  • *****
  • Mensagens: 1541
  • Karma: +0/-0
    • Ver Perfil
Asteróides e meteoritos revelam parecenças
« em: Outubro 27, 2006, 09:12:13 pm »
Através de dados recolhidos pela sonda japonesa Hayabusa (JAXA- Japan Aerospace Exploration Agency) aquando do seu encontro com o asteróide Itokawa, de 550 metros, os investigadores demonstraram que nem os pequenos asteróides estão a salvo do efeito do clima espacial. Os novos dados, publicados na revista Nature, confirmam que a composição mineral dos asteróides referidos é consistente com a dos meteoritos caídos na Terra.


O asteróide próximo da Terra Itokawa, de 550 metros. Crédito: Demura et al. 2006, Science.

Supõem-se que os asteróides e os meteoritos sejam feitos do mesmo – pelo menos é isso que os professores de geologia têm vindo a dizer aos seus alunos desde há décadas. Mas até há pouco tempo, os dados não encaixavam propriamente na história. Quando os investigadores comparavam o factor de reflexão no infravermelho próximo (medido da Terra) com o dos meteoritos (apanhados na Terra) eles viam diferenças suficientes para levantar a dúvida se os asteróides realmente poderiam ser a fonte dos meteoritos da Terra.

Uma nova comparação detalhada de Itokawa, um asteróide “próximo da Terra” (em inglês near-Earth asteroid), com amostras de meteorito existentes, confirma que o efeito do clima espacial pode explicar a diferença no padrão do factor de reflexão (espectro) entre os asteróides e os condritos normais, o tipo de meteorito mais comum.

“Estes [os meteoritos condritos] são tão abundantes que tem que haver muitos asteróides como fontes,” disse Takahiro Hiroi, da Universidade de Brown e autor do artigo, “mas nunca conseguimos encontrar nenhum que correspondesse tão claramente, até agora. Estas observações deixam-nos ver claramente o efeito do clima espacial em acção.”

No decurso de milhões de anos, o fluxo de iões de alta energia e de partículas microscópicas vaporiza a superfície de asteróides, depositando uma película fina que altera as propriedades ópticas do asteróide. Zonas muito desbastadas tendem a ter uma aparência escura e avermelhada. (O espectro do infravermelho próximo de tais áreas é desviado em direcção à extremidade vermelha do espectro.)

Hiroi visitou vários museus e recolheu dúzias de amostras de meteoritos caídos recentemente. Ele rejeitou várias amostras porque a oxidação causada pela chuva ou pelo ar na superfície da Terra altera a composição das rochas e interfere na analogia com os asteróides. Juntamente com outros investigadores da missão Hayabusa, Hiroi comparou o espectro do factor de reflexão do infravermelho próximo de amostras de meteoritos com o espectro observado em regiões específicas no asteróide. Uma das amostras (de um meteorito apelidado Alta´ameem, pela zona do Iraque onde caiu) indicou uma correspondência quase idêntica depois da correcção devida às mudanças causadas pelo efeito do clima espacial.

Evidências do desgaste devido ao clima espacial já foram observadas em luas e em asteróides grandes, mas tal evidência tão clara é recente para asteróides mais pequenos, como o Itokawa com 550 metros. Pensou-se outrora que tais corpos, com campos gravíticos menores, seriam rapidamente varridos da película de matéria causada pelo clima espacial. Esta nova evidência mostra que este material de facto se acumula em pequenos asteróides, que são provavelmente a fonte da maioria dos meteoritos.

Fonte: Portal do Astrónomo
« Última modificação: Janeiro 01, 1970, 01:00:00 am por PauloSantos »


Paços de Brandão/Stª Mª Feira

Latitude 40º 58\' 01"
Longitude -8º 34\' 59"
Altura 138m

Offline Fil

  • Moderador Global
  • Astro-Avançado
  • *****
  • Mensagens: 2621
  • Karma: +5/-0
    • Ver Perfil
(sem assunto)
« Responder #1 em: Outubro 27, 2006, 10:10:54 pm »
Desculpem-me a observação descabida, mas comparar um meteorito em liberdade, com um meteorito em cativeiro não me parece uma comparação justa.. É a mesma coisa que comparar uma pedra cheia pó que esteve numa estante durante séculos, com uma pedra que foi a cozer ao forno a 5000 graus, ainda caiu ao chão e partiu-se.
Eu acho que se eu fôr comparar areia com vidro, da mesma forma, vou chegar à conclusão que são coisas que não têm mesmo nada a ver uma com a outra! Não? Ou será que o infra vermelho deixa passar alguma informação independente da superfície do dito, ou das transformações que o dito sofre com a passagem pela atmosfera?

Há algo na notícia que não faz muito sentido..
« Última modificação: Janeiro 01, 1970, 01:00:00 am por Fil »
Fil.
GOAAA

Offline jardineiro

  • Mensagens: 2
  • Karma: +0/-0
    • Ver Perfil
Re: Asteróides e meteoritos revelam parecenças
« Responder #2 em: Maio 08, 2008, 07:52:32 pm »
Caro Amigo
Sou novo nestas andanças, como tal peço desculpa por algum mal procedimento da minha parte.
Gostaria de saber se me pode ajudar na identificação de algumas pedras que encontrei que não sei a sua origem. Pergunto se posso anexar imagens para me poderem ajudar.
Os meus agradecimentos
Jardineiro
« Última modificação: Janeiro 01, 1970, 01:00:00 am por Guest »

Offline Fil

  • Moderador Global
  • Astro-Avançado
  • *****
  • Mensagens: 2621
  • Karma: +5/-0
    • Ver Perfil
Re: Asteróides e meteoritos revelam parecenças
« Responder #3 em: Maio 08, 2008, 08:36:18 pm »
Não tem mal nenhum. Aqui talvez não seja o sítio mais contextualizado para isso, mas pode criar um novo tópico na secção de Pó Estelar (por exemplo se for sobre meteoritos) a perguntar, com as imagens anexadas à mensagem.
Eu não tenho conhecimentos para tal identificação, mas nunca se sabe se alguém com conhecimentos de geologia não poderá saber alguma coisa.
Mesmo que ninguém saiba, talvez possa haver sugestões para o que fazer para identificá-los, desde tentar entrar em contacto com algum geólogo numa universidade ou assim.
« Última modificação: Janeiro 01, 1970, 01:00:00 am por Guest »
Fil.
GOAAA

Tags: